quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

Daniela Perez: 21 anos depois alguns mistérios ainda permanecem sem respostas

Cidade acostumada a acordar com  noticia dos tipos de morte mais cruéis e inexplicáveis, o Rio de Janeiro foi sacudido na terça-feira 28 de dezembro de 1992  por um bárbaro assassinato como nunca vira antes. Um ator de novela, Guilherme de Pádua, 23 anos, galã promissor, confessou ter matado com dezesseis tesouradas no pescoço e no peito a atriz global Daniela Perez, de 22, ambos namorados na ficção da novela das 8 da Rede Globo, De Corpo e Alma. Guilherme de Pádua fazia o Bira da novela.  Daniela fazia à vulcânica Yasmin.  A atriz foi encontrada morta num terreno baldio com dezoito perfuradas  no pescoço. Torso esbelto e pernas grossas de bailarina, Daniela era a melhor candidata ao posto vago de namoradinha do Brasil. Se fosse ficção, a história seria brutal demais para ser encenada na novela das 8. Seria também inacreditável mesmo para um público acostumado aos mais loucos enredos televisivos em que se troca de coração como se troca de camisa. Imagine um filme ou novela em que uma autora criasse para a própria filha atriz um papel, o de Yasmin. Coloca ao lado dela Bira, o na namorado machão, primitivo, violentamente ciumento. Pois foi isso mesmo que aconteceu. A criadora da novela a Glória Perez, a mãe de Daniela Perez.
Muitos mistérios, ainda hoje 21 anos depois permanece sem respostas.
Muitos dizem que essa tragédia, foi o preço cobrado à Glória Perez pela novela escrita pela autora anos antes, a novela “Carmem” da extinta Rede Manchete. A novela retratava o universo de forças malignas como espíritos das trevas e pombas giras. Os profissionais envolvidos nessa novela tiveram suas vidas devastadas por tragédias, mortes violentas, problemas profissionais, como exemplo, a protagonista Lucélia Santos, nunca mais teve destaque em sua carreira depois dessa novela.   
Um  fato curioso é que depois de um ano do assassinato da atriz , histórias sobrenaturais envolvendo o seu espírito foram relatadas .
Em 1993, um programa da rede Globo apresentou um vidente nordestino, que conversava com a alma desta atriz .
Há inúmeros relatos sobre pessoas que rezaram pelo espírito da atriz e tiveram suas preces atendidas.
Em um vídeo que postei  um tempo atrás no meu canal do youtube mostra um dialogo entre a vitima e seu assassino, parece que eles falavam do que iria acontecer no futuro. Relatando a morte precoce da bela atriz.
( logo abaixo do texto o vídeo estará disponível)  

Outro mistério que me intriga muito é o nome da novela “ DE CORPO E ALMA” nome um tanto macabro, pois foi exatamente o qeu aconteceu com a Daniela , se foi de corpo e alma!



Um mensagem subliminar nessa cena. O dialogo deles descreve o que aconteceria no futuro!

segunda-feira, 9 de setembro de 2013

Tino Gomes : “vereda” fecunda de muitas artes

Tino Gomes é mineiro de Montes Claros e traz na sua bagagem 40 anos de trabalho pela cultura do povo de Minas e do Brasil. Considerado um dos artistas mais completos de Minas, é ator, humorista, compositor e cantor com 13 discos gravados, apresentador de TV e escritor infantil. Na TV, apresentou em BH o irreverente “Brechó do Troca-Troca” e o “Programa Clandestino”. Na TV Globo, fez participações em “Caminho das Índias”, “Malhação” e, recentemente, na minissérie “A Cura”. Na TV Alterosa, participa do programa jornalístico “TV Verdade”, como repórter e entrevistador na área de cultura. No cinema, contracenou com o ator João Miguel no filme “Matraga - A hora e a vez”, do diretor Vinícius Coimbra, com estreia nacional prevista para 2011. Trabalhou também, no premiado filme “Minas Texas” de Carlos Alberto Prates. Em 2009 estreou no Teatro Clara Nunes/RJ, o musical “Um lugar chamado recanto”, de Fred Mayrink. No espetáculo, além de atuar, Tino foi o responsável pelas oficinas de tambor para a preparação dos atores. Como humorista, Tino Gomes viaja com seu espetáculo solo, “CANTORIA E UNS CAUZIM DE SAFADEZA”, uma mistura inteligente de ‘causos’ e músicas engraçadas de duplo sentido.

     
  O voo do canarinho cantador!
(A Tino Gomes, o canarinho cantador do sertão)

O nosso canarinho cantador do sertão,
É um poeta sertanejo de belos dizeres...
É músico de instrumentos tantos...
É cantor de músicas muitas...
É o compositor...
De “Montes Claros montesclareou” ...
(com seu parceiro, Georgino Jr)
É também um excelente ator,
E contador de um tantão de “cauzim de safadeza”,
E de outras tantas belezuras...
Que nem sei como descrevê-las!...

O nosso canarinho cantador de “Pasárgada”,
É um poeta-poema...
Debruçado sobre si mesmo,
Que se supera sempre!...
Por isso mesmo,
E por um tantão de outras coisas ainda,
O nosso canarinho cantador do “Raizes”,
É... e sempre será,
Uma generosa e alegre surpresa!...

O nosso canarinho cantador do “sertão”,
É “catopêzeiro” de Pasárgada, do “Raizes”,
E das vias públicas também...
(ruas, bares, palcos, botecos e cantinas)
O nosso canarinho cantado do “sertão”,
Tem o dom de transformar
MONÓLOGO” em “DIÁLOGO
(Cantoria, Poesia, e uns cauzim de SAFADEZA),
Porque aconchega o seu público a si...
No contexto do que apresenta,
E ludicamente representa...
O nosso canarinho cantador do “sertão”,
Espantou-se sutilmente...
E voou... voou... voou...
Pra outras plagas bem distantes,
Por causa do seu oficio...
De admirável Menestrel,
E partiu...
Desse amado agreste Norte Mineiro,
Pra derramar sua arte pelo mundo afora...
(Nos palcos da vida
E da imensurável mídia).

Oh! Voa... Voa... Voa...
Ò canarinho cantador,
Desse amado “sertão”!...
Voa... Voa... Voa...
E vá em busca donde soltar...
Tua voz melodiosa,
E o teu gracioso cantar...

Oh, alces o teu voo ledo,
De canarinho cantador do “sertão”,
Por ai afora...
Porque simplesmente
A estrada...
E as estrelas são tuas!...

Mas como vez por outra,
Costumas voltar ao teu ninho
Deixaremos as portas...
Da tua casa sempre abertas,
(Sem nenhum alçapão)
À espera de tua volta,
Que costuma sempre ocorrer
A cada linda primavera...

Montes Claros 28-07-2011

RELMendes



   
        





PARTICIPAÇÃO DE TINO GOMES NA SÉRIE "A CURA", EXIBIDA PELA REDE GLOBO.



Na série de televisão brasileira, exibida pela Rede Globo no ano de 2010, A Cura, escrita por João Emanuel Carneiro e Marcos Bernstein e dirigida por Ricardo Waddington, Tino Gomes teve participação especial, interpretando Leleco. A minisérie foi gravada na cidade de Dimantina em Minas Gerais e exibida entre 10 de agosto e 12 de outubro


De Minas Gerias para Rio de Janeiro. Esse foi o trajeto de Tino Gomes para ter participação especial na novela "Caminho das Índias", que foi exibido pela rede globo de televisão em 2009 e 2010.





sábado, 24 de agosto de 2013

Marilyn Monroe 50 anos depois sua morte é ainda um mistério

 5 de agosto de 1962 morria o maior mito do cinema mundial. 50 anos depois devido ao seu envolvimento com o clã dos Kennedy e com os gângsters, e que somada à rivalidade que isso envolvia e uma espécie de acerto de contas podem explicar o fato de que todos os cômodos da casa de Marilyn possuíam gravadores escondidos, inclusive o seu quarto e o seu banheiro.

Prevaleceu, no entanto, uma versão oficial de que Marilyn morreu por overdose na ingestão de barbitúricos. Ninguém sabe de fato o que aconteceu naquela noite. Ouviu-se o barulho de um helicóptero rondando o céu de sua casa e uma ambulância foi vista esperando fora da atriz antes que a empregada (uma governanta, na verdade) desse o alarme da morte de Monroe.
As gravações de seus telefonemas (seu telefone estava grampeado!) e outras evidências da morte de Monroe desapareceram. O relatório da autópsia foi perdido de forma totalmente misteriosa. A documentação do FBI sobre seu falecimento foi suprimida e muitos dos amigos de Marilyn que tentaram investigar o que aconteceu receberam diversas ameaças de morte.
Com as linhas telefônicas de sua casa grampeadas, Marilyn era monitorada 24 horas por dia por algum grupo ou por várias pessoas. Qual o motivo de todo esse grampo telefônico? Segundo a investigação feita por Milo, os gângsters fizeram esse grampeamento com o intuito de gravar alguma conversa entre Marilyn e o então presidente Kennedy, para incriminarem-no.
No dia da morte de Marilyn, por volta das 4 horas da tarde algumas senhoras que estavam jogando cartas numa casa bem próxima à de Marilyn viram Robert Kennedy e "um homem com uma maleta de médico" entrar na casa dela. Esse homem poderia ser o médico particular ou o psiquiatra particular dela.
Naquela tarde, Robert e Marilyn discutiram muito, pois Robert havia
Naquela tarde, Robert e Marilyn discutiram muito, pois Robert havia prometido se casar com ela e interrompeu o relacionamento, o que a deixou em desespero e falta de controle emocional, o que era uma forte característica de sua personalidade. Sabe-se muito pouco sobre o que se passou daí em diante. No entanto, algumas gravações foram recuperadas.
Quando o policial chega à casa, encontrou o médico e o psiquiatra de Marilyn sentados em frente à cama da atriz e que a expressão do psiquiatra naquele momento era de culpa. Disse o investigador: “Posso dizer que foi ele quem aplicou a injeção de Nembutal líquido. Vale lembrar que naquele dia, naquele momento, foi a chance de calar Marilyn. Não esqueça de que ela havia marcado uma coletiva com a imprensa dizendo que iria contar tudo”, ressaltou o policial.

Detalhes da autópsia do corpo de Marilyn
Foto: Marilyn Monroe morta, em registro da polícia em 05 de agosto de 1962.


O legista responsável pela autopsia de Marilyn, Dr. Naguchi, reconheceu que a autópsia foi  incompleta. Segundo ele, antes mesmo do corpo chegar ao necrotério todos já haviam fixado o suicídio da atriz como causa mortis. Assim, os procedimentos da autópsia já estavam direcionados levando em conta esse motivo.
Porém, isso não impediu que Noguchi, mesmo contrariando ordens superiores, examinasse e reconhecesse que se ela tivesse se suicidado ingerindo os comprimidos oralmente, todo o trato digestivo estaria amarelo devido aos corantes que são adicionados nesse tipo de remédio. Além do que o estômago e o intestino estavam vazios e de acordo com o exame de sangue e com a análise de pedaços do fígado, o nível da substância se encontrava altíssimo no sangue e não no fígado. Uma verdade que talvez nunca será desvendada.

Foto: Marilyn Monroe morta, em registro da polícia em 05 de agosto de 1962.
Isso pode provar que a substância foi injetada diretamente na corrente sanguínea de Marilyn. Se ela tivesse ingerido os comprimidos a alta concentração da substância se daria em outros órgãos. Talvez fosse um modo de calarem a estonteante Marilyn Monroe para sempre, o que acabou acontecendo. A causa da morte oficial foi divulgada como sendo efeito do consumo exagerado de barbitúricos e a não-oficial uma conspiração da CIA que resultou em assassinato, por seu caso com a família Kennedy.

                            Últimas imagens de Marilyn Monroe

Foto: Último ensaio de Marilyn, por Bern Stern, seis semanas antes de sua morte, em junho de 1962


Sua última sessão de fotos, feita seis semanas antes da morte, revelou para o fotógrafo nova-iorquino Bern Stern, hoje com 82 anos, uma Marilyn que havia passado por uma cirurgia para retirada da vesícula, mas que não queria disfarçar a cicatriz que mostrava um corte no abdômen.
Stern desejava fotografar a atriz não tendo a ideia que anos depois seria lembrado por ter sido o último fotógrafo a captar imagens da atriz. No ensaio feito no hotel Bel-Air, na suíte 261, Marilyn pediu três garrafas de champanhe Dom Pérignon, safra de 1953, exigência anterior da diva para se deixar fotografar.
No dia 8 de agosto de 1962, o corpo de Marilyn Monroe foi velado no Corridor of Memories, n.º 24, no Westwood Memorial Park em Los Angeles (EUA). Se estivesse viva, Marilyn teria completado 86 anos em 2012. Ainda continua sendo uma das estrelas mais famosas de Hollywood de todos os tempos e sua figura e imagens a tornaram um símbolo de sensualidade e um ícone de popularidade do século XX. Segundo diversas pesquisas na imprensa internacional, Marilyn Monroe foi considerada a mulher do milênio.

Marlene Dietrich: A DIVA IMORTAL

Marlene Dietrich, nome artístico de Marie Magdelene Dietrich von Losch, (nascida
em Berlin-Schöneberg, em 27 de dezembro de 1901; falecida em Paris, França, 6 de maio de 1992) foi uma atriz cantora alemã, naturalizada estadunidense.  Conhecida por seus trabalhos artísticas e por sua sensualidade, sendo considerada pela revista Vogue como a "Marilyn Monroe alemã".Marie Magdalene Dietrich nasceu em 27 de dezembro de 1901 em Schöneberg, um distrito de Berlim, Alemanha. Ela era a mais nova das duas filhas (a irmã Elisabeth era um ano mais velha) de Louis Erich Otto Dietrich e Wilhelmina Elisabeth Josephine Dietrich. A mãe de Dietrich era de uma família abastada de Berlim que tinha uma fábrica de relógios e seu pai era um tenente da polícia. Seu pai morreu em 1911. Seu melhor amigo, Eduard von Losch, um aristocrata primeiro tenente dos Granadeiros cortejou Wilhelmina e mais tarde se casou com ela em 1916, mas morreu logo depois, como resultado de ferimentos sofridos durante a Primeira Guerra Mundial. Seus parêntes fugiram da guerra, indo para o Sul do Brasil.

Dietrich fez escola de artes cénicas e participou de filmes mudos até 1930. Em 1921, casou-se com um ajudante de diretor chamado Rudolf Sieber, e teve uma única filha, Maria, nascida em 1924.
Estreou no teatro aos vinte e três anos de idade, fazendo cinco anos de carreira apagada até ser descoberta pelo diretor austríaco Josef von Sternberg, que a convidou para protagonizar o filme Der Blaue Engel (1930), lançado no Brasil como O Anjo Azul, e baseado no romance de Heinrich Mann, Professor Unrat. Foi o primeiro dos sete filmes nos quais Marlene Dietrich e o diretor Josef von Sternberg trabalharam juntos. Os demais foram Marrocos (1930), Desonrada (1931), O Expresso de Shangai (1932), A Vênus Loira (1932), A Imperatriz Galante (1934) e Mulher Satânica (1935). Depois de trabalhar com von Sternberg, ela foi para Hollywood, onde trabalhou em filmes mais profundos e mais marcantes.
Foi convidada por Hitler para protagonizar filmes pró-nazistas, mas ela recusou o convite e se tornou cidadã estadunidense, o que Hitler tomou como um desrespeito para a pátria alemã, e chamou Dietrich de traidora.
Durante a Segunda Guerra Mundial, Marlene foi ao encontro das tropas aliadas, onde cantava para divertir e aliviar a dor dos soldados. Condecorada com medalha após a guerra, Marlene descobriu um dom que poderia explorar: sua voz. Assim ela começou a cantar além de atuar. A partir de 1951, começa a se apresentar em espetáculos em Las Vegas, no Sahara Hotel.
Em 1961, Marlene protagonizou um filme que quebraria barreiras e chocaria o mundo com um assunto que ainda assustava. O filme era Julgamento em Nuremberg, que tratava do holocausto, do nazismo, e do tumultuado julgamento que condenou os grandes líderes
nazistas.
Em turnês mundiais, ela visitou inúmeros países, porém voltou para sua pátria, a Alemanha, apenas em 1962, e sua volta não agradou a todos, pois os nazistas remanescentes chamaram-na de traidora em pleno aeroporto. Marlene tinha em Berlim uma de suas melhores amigas, a também talentosa cantora e atriz Hildegard Knef.
Em 1978, Marlene protagonizou seu último filme, Apenas um Gigolô, onde contracenou com David Bowie. Porém, nesse meio tempo, ela fez várias participações em rádio e programas de televisão. Finalmente, escondeu-se em seu apartamento em Paris, onde morreu aos noventa anos de idade, de causas naturais. Porém, existem comentários de que Marlene se matou com calmantes, pois não suportava o fato de envelhecer. Outros dizem que ela tinha Mal de Alzheimer e, por isso, se matou, mas não existe nada que comprove esses comentários.
Em 2001, foi realizado um filme biográfico sobre a diva, dirigido pelo seu neto e com comentários de várias pessoas que conviveram com Dietrich, como sua filha Maria Riva, seu sobrinho, Hildegard Knef, Burt Bacharach, o filho de von Sternberg, entre outros.
Maria Riva escreveu um livro sobre sua mãe, no qual a declarava uma pessoa fria
e autoritária.
Foi a primeira mulher a usar calças publicamente, nos anos 1920.
Encontra-se sepultada em Berlin-Schöneberg (Friedhof Schöneberg III), Friedenau, Berlim na Alemanha.
Dietrich é citada na música Vogue de Madonna, na frase "Greta Garbo e (Marilyn) Monroe. Dietrich e DiMaggio. Marlon Brando, Jimmy Dean. Na capa de uma revista" pois foi considerada uma das mulheres que mais representou a moda alemã.


segunda-feira, 10 de junho de 2013

ANA PAULA AROSIO: UMA ESTRELA QUE VIROU LENDA!

Uma grande atriz não é apenas o rosto bonito. Mas Ana Paula Arósio foi o mais belo rosto da televisão e do cinema brasileiro das últimas décadas, a moça que sorria com os olhos. Há que ter um toque trágico, uma intensidade emocional que a destaque da ligeireza das meramente celebridades. E Ana Paula teve sua dose de tragédia, muito maior do que recomendaria a prudência e a pouca idade. Tem que ser atriz, saber interpretar, passar para o seu personagem vida, emoção. E necessita do personagem inesquecível. Ana Paula teve, com a minissérie Hilda Furacão we Giuliana de Terra Nostra.
Em 2010 Ana Paula Arósio abandonou uma novela e a vida artística. Consta que mora isolada em um sítio do interior de São Paulo.
Antes de virar lenda, deveria voltar para iluminar por mais algum tempo a televisão brasileira.

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

Salve Giovanna Antonelli!!!




A vilã Bárbara, de Da Cor do Pecado e a delegada Helô, de Salve Jorge


Sou fã de Giovanna Antonelli, sim. Pronto, falei, estou leve! Mas isso não me deixa cego aos deslizes que ela e outras atrizes que admiro possam cometer. Como acontece com Cláudia Raia – outra de minhas atrizes favoritas e tema de uma coluna há duas semanas – atualmente em Salve Jorge. Mas o que surpreende em Giovanna é o fato de essa menina nunca errar. No momento, somos brindados com duas de suas atuações mais primorosas: a delegada Helô, de Salve Jorge; e a vilã Bárbara, de Da Cor do Pecado, que encerrou sua saga no Vale a Pena Ver de Novo, na sexta 22.

Clarice, de Sete Pecados (2007); a Cláudia, de Aquele Beijo (2011), e a Gigi, de As Brasileiras: A Venenosa de Sampa (2012)


Mas fazendo uma retrospectiva rápida, mesmo quando as personagens não favoreciam, Giovanna estava lá firme como uma rocha dando o seu melhor. Exemplos? Tenho três deles: a Clarice, de Sete Pecados (2007); a Cláudia, de Aquele Beijo (2011), e a Gigi, de As Brasileiras: A Venenosa de Sampa (2012). Clarice era a típica boa moça em uma novela horrorosa, cuja protagonista era Beatriz, um arremedo de ser humano vivido com extrema canastrice por Priscila Fantin. Mesmo com uma personagem apagada, Giovanna deu aula de interpretação e manteve a dignidade de seu trabalho até o fim. Cláudia poderia ser o primeiro fracasso de sua carreira, já que tinha nível mínimo de conflito e coerência dramatúrgica. Mas a atriz não cedeu um milímetro à tentação de ligar o piloto automático e buscou capítulo a capítulo, estímulo interno e energia para dar credibilidade a seu papel. Já para viver a perua da Gigi, no episódio mais fraco de As Brasileiras, a atriz se jogou de cabeça na piscina do exagero e foi a opção correta. Ao escolher pela chanchada, em vez da comédia de costume, Giovanna se manteve incólume.

Capitu, de Laços de Família (2000); a Jade, de O Clone (2001) e a Alma, de Três Irmãs (2008)


E se mesmo com papeis muito aquém de seu talento Giovanna tira leite de pedra, tendo em mãos uma boa matéria prima para trabalhar, ela faz a festa. Mais exemplos? Tem muitos: a Capitu, de Laços de Família (2000); a Jade, de O Clone (2001); a Anita Garibaldi, de A Casa das Sete Mulheres (2003); e a Alma, de Três Irmãs (2008). Só para citar algumas… As três primeiras, mulheres fortes envolvidas em dramas terríveis, foram tipos perfeitos para uma atriz corajosa, que adora assumir riscos e não tem medo de ousar. Já a destrambelhada Alma, foi a primeira oportunidade real que Giovanna ganhou para mostrar que também poderia ser uma boa humorista. E ela arrasou, fazendo da médica atrapalhada a melhor personagem da trama de Antônio Calmon. E olha que ela tinha como companheiras de cena duas verdadeiras divas: Regina Duarte e Cláudia Abreu.
Mas voltando à Helô e à Bárbara, tivemos uma ótima chance de poder acompanhar a atriz no ar com duas personagens tão opostas. Bárbara é uma vilã à moda antiga: intensa, cruel, sem um pingo de ética e muito, muito charmosa. E foi uma delicia ver a megera sendo dominada pela loucura até culminar num final dramático. Espetacular!

Helô e Stenio (Alexandre Nero)


Helô é o outro lado da moeda da Bárbara: uma policial honestíssima, determinada e implacável. E, mais uma vez, Giovanna tem a melhor personagem de uma novela, no caso a obra de Gloria Perez. Helô é extremamente contraditória. Ama o ex-marido, mas se recusa a admitir isso; tem seus vícios (por compras); é meio grossa, mas é uma amiga para todas as horas; foi uma mãe ausente e não sabe como resolver as diferenças com a filha, Drica (Mariana Rios). É uma personagem cheia de possibilidade e Giovanna não desperdiça nenhuma delas, dando humanidade e graça para sua “delegata”. E, por falar nisso, a carioca nunca esteve tão linda em cena! Para completar, Giovanna achou no grande Alexandre Nero o parceiro prefeito para seu momento de plenitude. Tão bom ator quanto sua parceira cena, Nero criou uma química incrível com ela e não é à toa que dos dois fizeram de Helô e Stenio o melhor casal de Salve Jorge. Aos 36 anos de vida e 22 de carreira, aquela menina que estreou na TV como assistente de palco de Angélica, no Clube da Criança, em 1991, se transformou numa mulher incrível e numa atriz não menos formidável. Salve Jorge, que nada! Salve, Giovanna Antonelli!!!

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

10 Vilãs memoráveis ANOS 2000


10) NORMA (Carolina Ferraz em “Beleza Pura)


 Na época da exibição de “Beleza Pura”, só se falava em Rakelly (Isis Valverde). A maluquete roubou a cena da novela, deixando em segundo plano a trama central, na qual Norma era encarregada das mais terríveis vilanias. Mas bem depois da novela, Norma virou febre com o surgimento do vídeo “Eu sou rica”, no qual nossa belíssima vilã deixa bem claro para o mocinho Guilherme (Edson Celulari) o motivo pelo qual não iria presa. “Eu sou rica” ganhou as pistas de dança, virou hit na internet e colocou Norma na galeria das grandes vilãs.



9) VILMA (Lucinha Lins em “Chamas da Vida”)


Uma mãe dominadora, uma empresária ambiciosa e uma incendiária insana. Assim era Vilma Oliveira Santos, que não hesitava em botar fogo, literalmente, na vida de seus inimigos. Brilhante desempenho de Lucinha Lins, Vilma dominou a ação em Chamas da Vida, desde o início, quando todos sabiam que ela era a responsável por inúmeros incêndios envolvendo seus inimigos, até o fim, quando passou a ser perseguida por um segundo incendiário e se viu completamente louca com a hipótese de ser eliminada da mesma forma que eliminava seus rivais. (Por Duh Secco)


8) SÍLVIA (Alinne Moraes em “Duas Caras”)

 Ela foi chegando de mansinho na novela, mostrando-se dócil e amável no início, para logo depois revelar uma personalidade obsessiva e crimonosa. Sílvia usava de seu charme para conseguir o que queria com Ferraço (Dalton Vigh) e não hesitava em querer eliminar seus inimigos. Dois momentos da vilã são muito marcantes pra mim: o primeiro, no qual ela deixa seu enteado Renato se afogando em um lago com a desculpa de que não pode molhar o cabelo (como amo ironia!!!); e o segundo, seu embate com a governanta Bárbara (Betty Faria), braço-direito de Ferraço, que detectou de cara a boa bisca que ela era. Vibro com aquela cena em que Sílvia tenta dar um tapa em Bárbara e leva uma chave de braço da governanta, que arremata com a melhor definição possível para a vilã: “diabinha”.
  

7) MAÍSA (Daniela Escobar em “O clone”)

 Maísa não é daquelas vilãs clássicas que trama coisas mirabolantes em meio a gargalhadas malévolas. É uma vilã, a la Gloria Perez, que foge desses estereótipos: amargurada, rancorosa, ressentida e humana. Mãe dominadora, faz de tudo para impedir o namoro da filha com seu segurança. Sem o amor do marido Lucas (Murilo Benício) e humilhada pela paixão deste por Jade (Giovana Antonelli), Maísa compensa sua frustração torrando o patrimônio do maridos com joias e vestidos caros e age silenciosamente, seduzindo Said (Dalton Vigh), marido de Jade, para se vingar da Odalisca. Uma cobra, que espera pacientemente pelo bote e um trabalho intenso e bem realizado de Daniela Escobar.


6) MARTA (Lília Cabral em “Páginas da Vida”)


 Outra vilã que foge do modelo clássico. Aliás, há quem nem a considere uma vilã, tamanha a humanidade que a genial Lilia Cabral emprestou à personagem. Frustrada pelas expectativas que depositou no marido e nos filhos, Marta era uma mulher comum e foi até compreendida por grande parte da audiência, que a via como uma batalhadora que carregava a família nas costas. Mas o fato dela rejeitar a neta portadora de Síndrome de Down, revelando todo o seu preconceito foi inaceitável. E com isso, nossa “querida” Marta foi contemplada com um passaporte para ingressar no rol das grandes vilãs da década.


5) ADMA (Cássia Kiss em “Porto dos Milagres”)



Mais uma vilã “aguinaldeana”. Adma era fria, calculista, minimalista. Transpirava crueldade pelos poros e era capaz de tudo para proteger seu amado Félix (Antonio Fagundes) dos inimigos. A arma? Uma boa dose de veneno que carregava em seu anel. O público vibrou com mais essa atuação espetacular de Cássia Kiss e esperava apreensivo para saber quem seria a nova vítima da terrível Adma.


4) BIA FALCÃO (Fernanda Montenegro em “Belíssima”)

“Pobreza pega”. Sim, queridos, agora começa o desfile das maiores vilãs. O quarto lugar pode até soar injusto para Bia, mas acreditem, até o primeiro lugar foi quase um empate técnico. Espécie de Odete Roitman do terceiro milênio, Bia tinha todas as características da histórica vilã “valetudista” (desprezo pelo Brasil, corrupção, instintos assassinos e sede por garotões). E com um agravante: o total desprezo pela filha legítima Vitória (Claudia Abreu). Bia fez e aconteceu: simulou a própria morte, prejudicou a neta Júlia (Gloria Pires) o quanto pôde e ainda protagonizou uma cena digna de tragédia grega ao rejeitar solenemente a filha pela segunda vez. Terminou feliz em Paris nos braços de um garotão aos brados de “bando de idiotas”. Mais um excelente trabalho para a já extensa galeria de personagens inesquecíveis de Fernanda Montenegro.


3) LAURA (Claudia Abreu em “Celebridade”)


Essa adorável “cachorra” causou frisson na época da novela e até hoje é lembrada como um dos melhores desempenhos de Claudia Abreu. Sonsa, dissimulada, com uma ironia e sarcasmo únicos, Laura movimentou a novela até ser assassinada no último capítulo. Totalmente inspirada em Eve Harrington, clássica personagem que infernizava Bette Davis em “A malvada”, Laura tinha objetivo destruir a vida de Maria Clara Diniz (Malu Mader) e, para isso, contava com a ajuda de um bom michê, Marcos (Marcio Garcia), como toda vilã gilbertiana que se preza. A surra que Laura levou de Maria Clara (inspirada em uma antiga cena de “Água Viva”) foi memorável, mas a melhor lembrança que tenho de Laura é dela arrasando, linda, na pista de dança, comemorando seu triunfo sobre a inimiga.


2) FLORA (Patricia Pillar em “A Favorita”)



Essa é cult! Flora deu a sua intérprete Patrícia Pillar inúmeras possibilidades de interpretação. E a atriz não desperdiçou: deu um banho como psicopata vingativa da genial trama de João Emanuel Carneiro, obstinada em destruir a vida de Donatela (Claudia Raia), por quem tinha um misto de ódio e admiração. Flora não poupava ninguém, nem a própria filha Lara (Mariana Ximenez), por quem tinha um profundo desprezo, e não teve escrúpulos em usá-la para colocá-la contra Donatela. Flora foi um show: irônica, sempre com ótimas tiradas, divertiu o público pra valer e também foi responsável por cenas eletrizantes em que o limiar entre a vida e a morte estava sempre em jogo. A intérprete de “Beijinho Doce” arrebanhou uma legião de fãs e até hoje deixa saudade.

1)           NAZARÉ TEDESCO (Renata Sorrah em “Senhora do Destino”)


O que dizer dessa linda raposa felpuda? Dona de uma invejável autoestima, Nazaré Tedesco foi a responsável pelo sofrimento de décadas da “anta nordestina”, como gostava de chamar Maria do Carmo (Susana Vieira), pelo sequestro de sua filha Lindalva (Carolina Dieckmann), a quem criou cercada de amor, como se fosse sua própria filha. E para proteger esse segredo, Nazaré foi capaz de tudo, inclusive matar o próprio marido José Carlos (Tarcisio Meira) e sua antiga colega dos tempos de prostituta, Djnenane (Elisângela), ambos rolando escada abaixo. Além disso, infernizava a vida de enteada Claudia (Leandra Leal). Nazaré era deliciosamente lasciva, debochada, insana, engraçada, divertida, enfim, um show à parte de Renata Sorrah, que soube aproveitar o genial texto de Aguinaldo Silva como ninguém. Pra o melão, é a campeã pelo seguinte motivo: apesar de extremamente caricata, Nazaré era, antes de tudo, humana, e movida pelo amor incondicional que tinha pela filha, a ponto de abrir mão de sua própria vida por causa dela. Portanto, se você cruzar em uma esquina com uma bela loira com uma tesoura na mão, fuja! Mesmo depois de morta, Nazaré pode ser capaz de tudo! Palmas para Nazaré, a incontestável campeã da década.




10 Vilãs memoráveis ANOS 90



10) MARY MATOSO (Patricia Travassos), de “Vamp” (1991)
Vilãs cômicas, quando bem construídas, são o máximo. Aqui temos um dos exemplos mais bem-sucedidos da categoria. O texto inspiradíssimo de Calmon casou perfeitamente com uma Patrícia Travassos simplesmente infernal, deliciosa, na pele da terrível e engraçadíssima perua vampira. Aliás, todo o grupo de vilões dessa novela foi um show à parte e Mary, sensualíssima, torturando nossos ouvidos ao cantar “O amor e o poder” é simplesmente impagável. Diva total! Risadas inesquecíveis com essa personagem.
9) ISABELA FERRETO (Claudia Ohana), de “A próxima vítima” (1995)
 Sonsa, lasciva, ordinária e extremamente cruel, a terrível vilã fez escola com as tias megeras, Francesca (Teresa Rachel) e Filomena (Aracy Balabanian), (aqui mencionadas honrosamente, porque arrasaram também) e passou a perna nas duas. Uma das mais dissimuladas vilãs de todos os tempos, ela usava sua falsa candura para enganar as mulheres e sua sensualidade à flor da pele para seduzir os homens. Tá certo que ela sofreu: levou uma surra do noivo às portas do casamento, teve o rosto retalhado pelo amante e terminou vendo o sol nascer quadrado. Mas essa devoradora de homens aprontou bastante, inclusive cometendo assassinatos e, por isso, conquista essa honrosa oitava posição.

8) MARIA ALTIVA (Eva Wilma), de “A Indomada” (1997)

“Oxente, my god!”. Quem não se lembra desses e de outros bordões anglo-nordestinos proferidos pela diabólica beata que infernizava a vida dos moradores de Greenville? Uma personagem extremamente caricata que só podia dar certo se fosse vivida por uma grande atriz. E Eva Wilma deitou e rolou com o inspiradíssimo texto de Aguinaldo Silva, Ricardo Linhares e equipe. Se atirou de cabeça na maravilhosa brincadeira e foi over, over, over, sem medo de ser feliz. E ao melhor estilo do realismo fantástico, mesmo depois de morrer queimada, ainda aparece no céu gargalhando e ameaçando a população com um antológico “I’ll be back!!!”. Pois aqui no melão, Altiva pode voltar o quanto quiser.
7) IDALINA (Nathalia Thimberg), de “Força de um desejo” (1999)
 Que atriz fantástica é Nathalia Thimberg. Consegue tanto despertar nosso afeto e simpatia com a doce e frágil Celina de “Vale Tudo”, quando nosso ódio eterno como a terrível Idalina ou Constância Eugênia, que figura na lista de menções honrosas. No folhetim de Gilberto Braga e Alcides Nogueira, Idalina não dava descanso à cortesã Ester (Malu Mader) e armava as piores vilanias para se dar bem. Interesseira, mesquinha, moralista, Idalina era capaz de tudo por um punhado de vinténs, mesmo que isso significasse a infelicidade dos próprios netos. E o olhar de La Thimberg assustava pra valer. Um dos grandes destaques dessa deliciosa novela.
6) ISADORA VENTURINI (Silvia Pfeiffer), de “Meu bem meu mal” (1990)

Isadora é daquelas vilãs clássicas: bonita, charmosa, rica, elegante e implacável com seus oponentes. Talvez a inexperiência de Silvia Pfeiffer tenha sido um fator positivo, já que grande parte da graça de Isadora era a deliciosa canastrice de sua intérprete, que talvez não casaria tão bem com uma atriz que oferecesse uma construção mais realista da personagem da trama de Cassiano Gabus Mendes. O figurino de Isadora era um espetáculo à parte. Isadora era fria e calculista, mas sempre na maior elegância. Usou e abusou de Dom Lázaro (Lima Duarte) antes dele se recuperar do derrame e preferir melão, chegando ao ponto de tentar mata-lo asfixiado com um travesseiro. Só sucumbiu por causa do amor que sentia por Ricardo (José Mayer), que foi absolvido pelo autor no final da trama. À Isadora restou a presidência da Ventutini Designers e uma solidão de rasgar o coração em um dos melhores finais de novela de todos os tempos.
5) TEODORA (Debora Bloch), de “Salsa e Merengue” (1996)
 Um verdadeiro show! O que dizer? As maldades dessa vilã mais arrancavam gargalhadas do que ira por parte do público. Teodora era deliciosa, uma festa, com tiradas fantásticas que partiam das geniais mentes de Maria Carmem Barbosa e Miguel Falabella e incorporadas com perfeição por Debora Bloch. Politicamente incorretíssima, Teodora tinha uma empregada a quem chamava de Sexta-feira, humilhava os pobres e chamava sua rival Madalena, vivida por Patricia França, de aborígene, por esta ser de origem humilde. O fato é que o sucesso de Teodora junto ao público foi tanto que no final, acabou vencendo a mocinha e arrematando o mocinho Eugênio (Marcelo Antony), com quem viveu feliz para sempre, junto de seus gêmeos afrodescendentes, já que a inseminação artificial com a intenção de conceber crianças loiras que se parecessem com Eugênio não saiu como o planejado. O fato é que, cada capítulo de “Salsa e Merengue” era aguardado, em grande parte, por causa do ótimo texto e das ótimas tiradas de Teodora. Debora Bloch faturou o Troféu Imprensa de melhor atriz daquele ano e a novela, infelizmente, nunca teve uma reprise. Torçamos para que o Viva repare essa falha, pois o público merece rever Teodora.
4) RAQUEL (Glória Pires), de “Mulheres de Areia” (1993)

Gloria Pires já tinha feito misérias como Maria de Fátima em “Vale Tudo” e já não precisava provar pra ninguém sua enorme potencialidade. Mas na trama de Ivani Ribeiro, ela se superou, pois conseguiu a proeza de criar quatro tipos diferentes: Ruth, Raquel, Ruth fingindo ser Raquel e Raquel fingindo ser Ruth. E sem o menor sinal de caricatura, o público percebia perfeitamente quem era quem, graças a um magnífico trabalho cheio de sutilezas e nuances. Que atire a primeira pedra quem nunca se divertiu quando a malvada Raquel destruía as esculturas de areia de Tonho da Lua (Marcos Frota). Mais um golaço de Gloria e um trabalho digno de figurar na galeria dos maiores de todos os tempos.
3) BRANCA LETÍCIA DE BARROS MOTTA (Susana Vieira), de “Por amor” (1997) 

 Branca podia ser falsa, maldosa, cruel, traiçoeira, preconceituosa, mas uma coisa ninguém nega: era uma delícia estar na companhia dela. Talvez a mais sarcástica de todas as vilãs, Branca tinha uma tirada inteligente para cada situação e, muitas vezes, era dolorosamente sincera ao confessar a falta de sentimento pelo marido Arnaldo (Carlos Eduardo Dolabella) e pelo filho Leonardo (Murilo Benício). O fato é que Branca protagonizou grandes e memoráveis barracos, seja com a filha Milena (Carolina Ferraz), seja com a rival Isabel (Cassia Kiss), este com direito a tapas, empurrões, tesouradas e quedas em escadaria. Um grande trabalho de Susana Vieira para se rever e aplaudir sempre.
2) VIOLANTE (Drica Moraes), de “Xica da Silva” (1996)
Que Drica Moraes era uma fera do humor, ninguém duvidava. Mas na pele de Violante em “Xica da Silva” provou que é uma das maiores e mais versáteis atrizes de sua geração. Em uma novela de tom quase operístico, de personagens grandiloquentes e caricatos, a começar pela protagonista, Drica, sem alterar o tom da voz, mostrou toda sua intensidade dramática com a ressentida e cruel Violante, um trabalho magnífico, muitas vezes tendo o olhar como ponto alto. O olhar fulminante de Violante e sua voz sussurrante causavam arrepios por todo o Arraial do Tijuco. Sua aparente fleuma ocultava uma crueldade sem limites e uma vontade ferrenha de destruir Xica (Taís Araújo) para ficar com o contratador João Fernandes (Victor Wagner), sua grande paixão. Os embates entre Xica e Violante eram memoráveis e Violante não poupava Xica de apelidos jocosos como Sinhá Macaca. A novela da extinta Manchete foi antológica, em grande parte, por conter uma grande vilã e uma atriz talentosíssima dando vida a ela.
1) LAURINHA FIGUEROA (Glória Menezes), de “Rainha da Sucata” (1990)
 No início era apenas uma quatrocentona falida, que não perdia a pose e explorava a empregada. Mas a partir da convivência com a perua emergente Maria do Carmo (Regina Duarte), por quem tinha verdadeira repulsa, Laurinha foi se tornando cada vez mais cruel. Tomada de ciúmes do enteado Edu (Tony Ramos), com quem Maria do Carmo se casou e por quem nutria uma paixonite, Laurinha chegou ao cúmulo de matar lenta e dolorosamente o diabético marido Betinho (Paulo Gracindo), dono do antológico bordão “Coisas de Laurinha”, com doses diárias de glicose no lugar de insulina. Num ato de desespero, para incriminar a sucateira ordinária Maria do Carmo, como ela mesma chamava, se atirou do alto de um prédio em plena Avenida Paulista, numa das sequências de morte mais famosas de toda a teledramaturgia. Os duelos de Laurinha com a sucateira são inesquecíveis e a personagem é, de longe, minha preferida de Glória Menezes, que a compôs com classe, elegância e também com uma intensidade incrível. Glória se jogou na personagem e quem ganhou foi o público.